11 de mar de 2013

DAS PÁGINAS PARA AS TELAS #5 - O Lado Bom da Vida (2013)

postado por Caleb Henrique




PRIMEIRAMENTE: SINTO MUITO PELO SUMIÇO REPENTINO!  
A última semana foi uma das mais caóticas de toda minha vida, mas - felizmente - já passou!

O ‘Das Páginas Para As Telas’ de hoje não podia ser diferente, afinal, O Lado Bom da Vida foi um dos melhores livros lidos este ano e, confesso, foi com um pouco (muito) de medo que comecei a assistir esta adaptação. De início fiquei um pouco revoltado com as mudanças, embora elas já fossem esperadas, mas - diferente de muitos – eu confesso que não gostei de ver o pai do Pat sorridente e conversador... NÃO MESMO! Tal qual a relação dele com o irmão que não passou um terço sequer da sinceridade do afeto mútuo entre os dois presentes no livro e, acredite em mim, eu realmente esperava ver os costumeiros gritos de “AAAAAAAAAAAAAAH! E-A-G-L-E-S! E-A-G-L-E-S!” e o apaziguador consultório de paredes azuis repletas de nuvens, mas como eu disse: Já iniciei o filme com a certeza de que as mudanças seriam muitas – o que me impediu de me decepcionar tanto.
Mas falemos também dos pontos altos da adaptação, sim? O primeiro deles é, sem dúvidas, o fato de o Bradley ter sido realmente bom interpretando o Pat. Sério, foi realmente agradável poder ver o Pat e sua patologia pelos olhos dos outros personagens (e pelos meus próprios), mas é claro que eu não podia deixar de citar a absolutamente incrível atuação da Jennifer Lawrence que, da mesma forma que em The Hunger Games, conseguiu entrar na personagem e, embora não da forma que eu gostaria, conseguiu passar tudo que a Tifanny. As câmeras e trilha sonora são realmente ótimas, não tive mesmo do que reclamar nesses dois quesitos.
Então, para quem curta uma comédia romântica que não seja apenas água-com-açúcar O Lado Bom da vida é uma pedida excelente, embora eu não possa deixar de dizer: O LIVRO É MELHOR! (risos) Eu sei, eu sei que você já sabe que eles sempre são, mas eu precisava enfatizar.

Ainda tem dúvidas se vale a pena ver? Dá uma olhadinha no trailer: 


Assim me despeço, com a promessa de voltar.
E como há braços, abraços.