13 de nov de 2012

Deslembrança - Cat Patrick

postado por Caleb Henrique



Intrínseca, 2012, 256 páginas. (Skoob) 
.
Toda noite, quando London Lane recosta a cabeça no travesseiro e dorme, cada mínimo detalhe do dia que viveu desaparece de sua memória. Pela manhã, restam-lhe apenas lembranças do futuro: pessoas e acontecimentos que ainda estão por vir. Para conseguir manter uma rotina minimamente normal, London escreve bilhetes para si própria e recorre à sempre fiel melhor amiga. Já acostumada a tudo isso, ela tenta encarar a perda de memória mais como uma fatalidade que como uma limitação. Mas, quando imagens perturbadoras começam a surgir em suas lembranças e London precisa, de algum modo, escapar delas, fica claro que para entender o presente e o futuro ela terá que decifrar o que ficou esquecido no passado.

Avaliação: 3/5

Quando vi que a Intrínseca lançaria Deslembrança — que me chamou a atenção desde a primeira vez que o vi, num site americano  eu, literalmente, surtei. Primeiro porque eu simpatizo muito com a editora — lê-se: babo o catálogo inteiro  e, segundo, porque eu já queria ler o livro. Então pensei: “Não tem como dar errado”, mas deu.

Tudo bem, eu errei ao criar muitas expectativas para o livro, afinal, não é de meu feitio fazê-lo. Não sei se já comentei aqui, mas eu sou completamente paranóico com spoilers e procuro saber o mínimo possível sobre a trama. É que gosto de surpresas, então, prefiro deixar os personagens me surpreenderem o máximo possível. Parece loucura, e talvez seja, mas este sou eu, mas voltemos o foco à resenha:

A London só consegue lembrar-se do futuro, logo, seu passado é um imenso branco para ela. A questão é que em algum ponto da noite (e não apenas quando dorme; como diz a sinopse) todo o seu dia se apaga e tudo o que lhe resta são suas próprias anotações.  Confesso que de inicio achei todo o lance do esquecimento e anotações um tanto esquisito e entediante, mas não demorei muito a me acostumar, e admito que isso talvez tenha ocorrido pelo fato de minha mente insistir em encontrar alguma falha ou método de burlar o problema (algo que acontece muito comigo) ou até mesmo conseguir descobrir o porquê do problema e, rufem os tambores, minha teoria estava 70% correta. Me senti ao mesmo tempo um gênio por ter conseguido tal façanha e decepcionado por esperar que ela conseguisse me surpreender com um final totalmente diferente do que eu havia imaginado.

Muitos reclamaram da narrativa da Cat, o que não veio a ser o meu caso. Gostei tanto da narrativa quanto dos personagens. Honestamente, o livro é bom, a história boa e a trama até que está bem desenvolvida para um livro de estréia. Então o caso não é de eu não ter gostado, porque eu gostei, mas ao terminar não pude deixar de pensar: “Imagina uma ideia dessa nas mãos da Lauren Oliver” e honestamente, sei que a comparação é humilhante e injusta, mas me ocorreu. Então, sim, eu indico Deslembrança para quem quer uma leitura rápida e boa, mas aviso: Não crie expectativas demais.

Fiquemos com uma de minhas citações prediletas:

Lágrimas e mais lágrimas caem nas páginas pautadas em minha mãos enquanto descubro um pesadelo que se tornou realidade. Enxugo-as rapidamente para que não desbotem a tinta. Porque, apesar do aperto no peito que me faz odiar os passarinhos cantando e tudo o mais, sei que precisava ler isto hoje, e que vou precisar ler de novo amanhã.Para mim, ler é lembrar. (p. 194)

Assim me despeço, com a promessa de voltar.
E como há braços, abraços.